18 de janeiro de 2020

Resenha: Fuck Love - Louco Amor

Título: Fuck Love - Louco Amor
Editora: Faro Editorial 
Autora: Tarryn Fisher
Páginas: 288
Resenhista: Mel
Adicione: Skoob
Sinopse: Helena Conway se apaixonou. Contra sua vontade. Perdidamente. Mas não sem motivo.Kit Isley é o oposto dela desencanado, espontâneo, alguém diferente de todos os homens que conheceu. Ele parece o seu complemento. Poderia ser tão perfeito... se Kit não fosse o namorado da sua melhor amiga. Helena deve desafiar seu coração, fazer a coisa certa e pensar nos outros. Mas ela não o faz... Tentar se afastar da pessoa amada é como tentar se afogar. Você decide fugir da vida, pulando na água, mas vai contra a natureza não buscar o ar. Seu corpo clama por oxigênio sua mente insiste que você precisa de ar. Então você acaba subindo à superfície, arfando, incapaz de negar a si mesma essa necessidade básica de ar. De amor. De desejo ardente. Você pode pensar que já viu histórias parecidas, mas nunca tão genuínas como essa. Tarryn, a escritora apaixonada por personagens reais, heroínas imperfeitas, mais uma vez entrega algo forte, pulsante, que nos faz sofrer mas também nos vicia. Depois dela, todas as outras histórias começam a parecer como contos de fadas. Se você não quer se viciar, não leia a primeira página.
      
Nota: 5/5

"Eu gosto de comparar os olhos das pessoas como se fossem doces. Os olhos de Kit são como chocolates derretidos e quentes."
Só de ler a Sinopse vemos que o livro é arrebatador, apaixonante e com uma história original pra lá de incrível. Foi o primeiro livro que li da autora e estou completamente apaixonada e louca para ler seu último livro publicado. 

16 de janeiro de 2020

Resenha: Reflexões de Vida

Título: Reflexões de Vida
Editora:  Agbook / Clube de Autores
Autor: Luciano Otaciano 
Páginas: 232
Resenhista: Mel
Adicione: Skoob
*Livro cedido pelo autor para resenha 
SinopseOlá leitor, esse livro trás uma visão variada sobre diversos assuntos. Ele lhe proporcionará momentos de profunda reflexão.Você encontrará de tudo um pouco na obra Reflexões de Vida. Espero que de alguma forma, o ajude a ver a vida de uma maneira diferente, mais humana e acima de tudo com amor no coração. E não se esqueça, na vida o que vale mesmo é ser feliz, afinal, nós merecemos.
            
Nota: 4/5

Eu deveria ter lido esse livro um tempão atrás, talvez se eu tivesse lido antes, teria me ajudado a lidar com os meus problemas. É meio difícil eu ler livros de autoajuda, mas porque não me esbarro muito neles, e esse é um livro excelente de autoajuda. 

15 de janeiro de 2020

A Chama do Amor

Ele estava vindo!
Realmente estava vindo me ver... A ansiedade remexia na minha barriga me deixando eufórica. Eu estava com tanta saudade dele, do cheiro, do beijo, dele todo! Eu não poderia enganar ninguém, na minha cara já estava claro o quanto eu o amo.
Eu ouço o som da porta e mal posso esperar que abra, pulo nos seus braços num abraço apaixonado colocando todo o meu sentimento nele, nossas risadas se misturam e só me lembro do que senti, porque naquele momento eu não conseguia abrir os olhos.
Eu chorei silenciosamente nos seus braços, sendo amparada pelo seu corpo. Nunca vou me esquecer dessa sensação de estar nos braços dele.
De me sentir pertencida a ele. Meu peito se aqueceu e foi dominando o que estava sentindo.
Passei a beija-lo no pescoço e no rosto com beijos rápidos, voltando a abrir os olhos eu sorri ao perceber que amava seu sorriso, amava te ver . Ofegante, deixei que me conduzisse ao nosso cantinho, onde nos beijamos com calma, cada um explorando o outro.

13 de janeiro de 2020

Resenha: O que o sol faz com as flores

Imagem relacionada
Título: O que o sol faz com as flores
Editora: Planeta
Autora: Rupi Kaur
Páginas: 256
Resenhista: Déb
Adicione: Skoob
Sinopse: o que o sol faz com as flores é uma coletânea de poemas arrebatadores sobre crescimento e cura. ancestralidade e honrar as raízes. expatriação e o amadurecimento até encontrar um lar dentro de você. 
organizado em cinco partes e ilustrado por rupi kaur, o livro percorre uma extraordinária jornada dividida em murchar, cair, enraizar, crescer, florescer. uma celebração do amor em todas as suas formas.
Nota: 4/5

Sobre o livro

O que o sol faz com as flores é uma coletânea de poesias dividido em cinco partes, murchar, cair, enraizar, crescer e florescer. São cerca de 256 páginas, algumas negras escritas em branco que destacam os títulos, as introduções e os desfechos, que guardam versos e poemas para quase todos os gostos (menos aqueles que são extremamente restritos). E poemas que contém títulos, desenhos ou nenhum deles. Apenas versos simples, que podem ou não conter algum significado para você, leitor. Essas poesias falam

sobre a dor,
"quando cheguei ao fundo do poço
que fica depois do fundo do poço
e que ninguém me deu a mão ou uma corda
eu me perguntei
e se ninguém mais me quiser
porque eu não me quero mais
- sou tanto o veneno quanto o antídoto"

o abandono, 
"você levou o sol
quando se foi"

o respeito as raízes,
"deixar seu país
não foi fácil para a minha mãe
ainda a vejo procurando a sua terra
nos filmes estrangeiros
e na prateleira de importados"

 o amor, 
"hoje cedo
eu contei para as flores
o que eu faria por você
e elas se abriram"

e o empoderamento.
"Olhe para o seu corpo
 sussurre
não há casa igual a você
- obrigada"


Esclarecimentos sobre a resenha deste livro

Particularmente, a Rupi Kaur não é das minhas personalidades favoritas. Eu não concordo com muitas coisas que ela faz ou diz, mas a personalidade do autor não deve invadir a opinião do leitor sobre a obra. O correto a se fazer é julgar a obra após a ter lido.

Não posso negar que tenho um certo medo de escrever sobre o livro já que diversos críticos literários amaram ou tacaram pau neste livro, falaram que a escrita dela é para adolescentes abobadas ou até mesmo que as pessoas não deveriam ler este lixo que não é poesia. E muitos reverenciaram falando que ela é a melhor poeta. O que para qualquer crítico literário com o mínimo de conhecimento sobre poesia, sabe que não é verdade. Ela está muito longe de ser uma das melhores poetas da escrita contemporânea.

O primeiro ponto que devo descrever sobre este livro, é que Rupi Kaur tem uma escrita muito direta e simples, de forma que ela consegue se comunicar facilmente com grandes massas, entre elas os adolescentes, que estão muito presentes nas redes sociais, onde ela trabalha de forma expressiva com quase 3,9 milhões de seguidores em sua conta do Instagram.

O segundo ponto que devo ressaltar, é que ela não é Shakespeare, T. S. Eliot, Olavo Bilac ou Florbela Espanca.

O terceiro ponto, Rupi Kaur é feminista e para muitas pessoas isso é um problema. Para outras não. Particularmente, eu não ligo. Não sou feminista e nem sinto a obrigação de ser mesmo tendo lido Rupi Kaur, que atualmente é uma das grandes influenciadoras feministas espalhadas pelo mundo.

Minha Opinião

Depois de toda esse introdução que escrevi sobre Rupi Kaur, agora devo deixar a minha opinião sobre o livro.

Eu gostei bastante e digo isto por causa de sua escrita. Ela é simples, razoavelmente sem sentimento e direta ao ponto. O que no momento atual é excelente para mim. Nem sempre eu estou no clima para ler um soneto de Shakespeare e chorar com ele. As vezes eu só preciso de alguma coisa que abra os meus olhos e me fale que eu não devo sentir tudo de uma forma tão impactante. 

O que é uma maravilha!

Os versos que eu mais gostei dela, são os que falam sobre a mãe. Eu realmente gostei bastante de ela tentar em diversos momentos expressar o ponto de vista da mãe dela e tentar dar conselhos sobre o que ela poderia ter feito no passado. E na página 148 da minha edição, ela fez um desenho da mãe que eu achei bem bonito.

Eu recomendo Rupi Kaur para quem não quer um livro difícil de ler, para quem não quer enrolação, para quem quer alguns temas tabu que ela não retrata de forma muito explícita e para quem não tem nenhum problema em relação a eles.

Obs.: E também esqueci de dizer algo, ela tem uma escrita diferente, que contém apenas letras minúsculas e apenas o ponto final como pontuação.

Veja Também...

Vale a pena conferir: